quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Negra

Preta é minha pele 
E tenho tanto orgulho 
O sofrimento é grande
Sou Mulher, preta e pobre 
A cor da minha pele rege a minha vida
Ralar mais, estudar mais, ser mais 
Exigências de um lugar ao sol 
Que escurece também ao pôr do sol 
Olhares de desprezo (quantos)
Ditos de chacota (quantos)
Ao sinal de fraqueza humana
"Não aguenta, coitada, é preta 
É preguiçosa da canela fina
Seu cabelo desgrenhado 
É motivo de chacota 
Para que serve se é ruim e armado?"
Piadas a vida inteira 
E a doce e nojenta mentira 
Como se consolo fosse
"Você não é negra, é morena"
Quantas professoras, engenheiras
E médicas negras você conhece?
Poucas, não é?
A cota da universidade 
Dizem que discrimina o negro
Mas não contam os séculos 
Que estamos à margem
Somos muitos e somos menos 
A dor de tantos não amolece o coração de muitos 
Por que ter dó se não servem pra nada?
Tudo ladrão viciado
De péssimos hábitos 
E logo mostram porque valemos tão pouco 
Pra que casa, carro, luxo?
Dizem que não preciso de tanto 
Um teto e uma TV 
É tudo que preciso, dizem 
Triste mundo onde morremos como moscas
Porque não valemos nada
Negra????
Vai ganhar as ruas, ouvi 
Seria o ápice de minha vida
Sou tinhosa, ninguém limita o que posso 
Ninguém sabe a minha força
Ninguém sabe como luto
Para poder escrever aqui 
E deixar a mensagem que quero 
Sou negra  sim 
E cada célula do meu corpo 
Vale mais do que você
Que lê isso e pensa "bobagem"
Embora não conheça minhas cicatrizes
E por tudo que passei e passarei
Para garantir meus plenos direitos
Vista minha pele por  um dia
Note a diferença e chore...
ROSÂNGELA FERREIRA LUZ  19/11/2015 




Postar um comentário