sábado, 19 de maio de 2018

Thirteen reasons why sem Spoiler


Considerações sobre a série Thirteen reasons why

Terminei a série agora e não é uma série para adolescentes, não é uma série para adultos, é uma série que toda família deveria assistir e conversar sobre. Como nos tornamos tão individualistas a ponto de não perceber o que acontece ao redor, com as pessoas em nosso trabalho, em nosso lazer, em nossa casa, que encontramos na rua, que nos atende na padaria, que nos pergunta as horas? Como não percebemos o olhar aflito, o pedido de socorro, que o outro ao nosso lado vive/sente e grita? Por que não partilhamos o que sentimos? Por que temos vergonha do que sentimos, vivemos, por que sentimos vergonha de dançar, gargalhar ou chorar?
Quem procurar qualidades na série com a intenção de analisar uma obra em termos técnicos tipo cenário, cores, trilha sonora, enredo, personagens, critérios que desconheço talvez encontre mil defeitos, mas tenho certeza que a série deixará sua marca, pois fala de assuntos que são tabu em pleno século XXI, fala de sonhos, paixões, solidão, incompreensão, ansiedade, homofobia, homossexualidade, racismo, intolerância, depressão, suicídio, daquela desolação que sentimos em muitos momentos da vida e que não há ninguém capaz de nos ajudar, de ouvir, ao menos, sem julgar, alguém que nos escute sem fazer comparações ou usando nossa dor para nos afundar com gestos, palavras que nos consomem e como os jovens atualmente dizem e com propriedade: "chorar debaixo do chuveiro, no escuro, em posição fetal", imagino que seja um dos mais altos sinais de solidão imaginar um quadro assim e quem nunca?
Quando soube que teria uma segunda temporada, achei que seria impossível ter uma continuação digna da primeira e conseguiram! A segunda temporada é tão boa e tão crua quanto a primeira e deixa um gancho que garante a terceira, achei isso incrível! Um desejo de "quero mais". A trilha sonora é maravilhosa e só por ela já vale a pena assistir.
Seus personagens são diversos, temos adultos e adolescentes, mas seus conflitos são de todos nós independente de idade,  até mesmo seus "vilões" são humanizados a ponto de sermos capazes de compreender suas ações, mesmo que discordemos. Sempre me impressiona a capacidade (é isso é explícito na série) que muitos possuem de, ao amadurecer, esquecer como é ser adolescente, como é querer fazer parte, se apaixonar, as primeiras experiências e as perdas e rotula tão facilmente as crianças e seguem como aprenderam, a rotular e ser rotulado, de distorcer a verdade de acordo com o que lhe convém e como acredito que tudo o que somos e fazemos nos perseguem pela vida toda, acredito que dependa de cada um crescer ou esmorecer, aliás, depende também de quem ainda é capaz de uma gentileza, empatia, compaixão, de alguém que diga "Estou aqui se precisar".
Vamos ouvir mais e falar menos, o mundo precisa desta gentileza, desta leveza, desse gesto de amor, de apreciar o simples com toda intensidade que a vida merece porque ela passa rápido, clichê eu sei, porém, fato!

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Gêneros de anime que podem ser ótimos temas de fanfic, por Kim Teyiong


|O jovem samurai Kim Teyiong  colaborou esclarecendo os diversos gêneros de anime que podem ser inspiradores para criação de Fanfics, e, por favor, atentem para a faixa etária de nossas produções, certo? 
Como foi enviado no Messenger seguiu o mesmo formato:
Yaoi: gênero de relacionamento com garotos Yuri: gênero de relacionamento amoroso com garotas Hentai: gênero que significa perversões sexuais Shounen: gênero pra o público jovem masculino (14-18) Seinen: gênero pra o público adulto masculino (18-100 e lá vai cacetada) Shoujo: gênero pra o público jovem feminino (14-18) Josei: gênero pra o público adulto feminino (18 a diante) Kodomo: gênero voltado pro público infantil (Conteúdo livre pra todas as idades) Romance: gênero onde pode conter relacionamentos com o/a protagonista Ecchi/etchi: gênero onde tem cenas sensuais muuuito eróticas Ação: gênero onde contém muitas ações, mortes e etc Monsters: gênero onde contém personagens não humanos Harém: gênero onde o protagonista faz a que todos gostem dele (por ser o fodaum)
Tá aí fessora os significados dos gêneros
Colaborador: O Jovem Samurai Kim Teyiong

Lançada a corrida, samurais! Inscrição para BETA READER


ESCOLA MUNICIPAL ARMANDO CAMPOS BELO.
Língua Portuguesa Professora Rosângela Ferreira Luz.
INSCRIÇÃO: Critérios "Seja um beta reader"
A escola fornecerá certificados aos alunos que atuarem como Leitores Críticos, especificando uma quantidade de horas no mesmo COMO ASSESSORIA DE LEITURA CRÍTICA.
1. A inscrição em si já é a primeira fase do processo. É fundamental que o Beta tenha conhecimentos de digitação.
2. Os aprovados na primeira fase receberão o teste da segunda fase que é uma simulação de betagem, por meio da qual avaliaremos o domínio do candidato em relação à língua portuguesa, o que ele percebe de desvios na coesão e coerência do texto e a crítica literária feita, mais além da clareza e tom com que ele expressa seu ponto de vista.
3. Os aprovados passarão pelo apadrinhamento, para polir suas habilidades como betas. Essa fase é eliminatória, pois passarão pela fase de indução, para se colocarem a par dos aspectos internos. Essa fase não é eliminatória, salvo casos como:
 a) percebermos que passaram betas agressivos (antes, porém, enviaremos uma mensagem tentando conversar e "aparar as pontas");
 b) candidatos que não cumprirem o prazo durante o processo ou não interagirem devidamente com os textos.
IMPORTANTE: MÁXIMO QUATRO ALUNOS POR TURMAS (8º A, 9ª A e 9º B).
O Beta reader, doravante denominado Leitor/a Crítico/a deverá:
Auxiliar na correção dos erros gramaticais; Ou seja, apontar os erros para que o autor corrija.
Ajudar na colocação dos padrões de postagem do blog; (Sinopse, lista de personagens e etc.)
Auxiliar na construção da história;
Auxiliar na construção de personagens;
Auxiliar para que o autor mantenha coerência.
 Seja gentil e tenha bom senso, revisar uma história leva tempo.
Antes de enviar uma fanfic, dê o máximo de informações possível pra Beta, pra que ela possa ter noção da história. Essa é a pessoa que deve saber TUDO da sua história já que ela não será uma leitora comum.
  Deixe claro pra ela no que você quer que ela te ajude. (Ideias, ajuda com personagem, apenas correção ortográfica...)
A beta te ofendeu, foi rude, grossa e derivados? Entre em contato com a professora e reporte, para que a mesma tome as devidas providências.

BOA SORTE, SAMURAIS!

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Jovens Samurais, dicas preciosas para escrever uma fanfic



 Texto retirado do site: https://pt.wikihow.com/Escrever-uma-Fanfic




Fanfiction é o termo usado para designar um tipo específico de ficção utilizando a ambientação ou os personagens de um determinado universo, geralmente como homenagem. Você pode escrever sobre os personagens que mais gosta, dar continuidade à história original ou alterá-la completamente. O público-alvo desse gênero é restrito, mas quem lê o que você cria também é entusiasta do trabalho original. Esse é um jeito divertido e criativo de expressar seu amor por alguma obra de ficção, e as possibilidades são infinitas!
Parte1
Explorando o material original
Escolha a base de seu trabalho. A fanfiction sempre é baseada em uma obra que já existe, e cabe ao autor da “fanfic” (como é popularmente conhecida) continuar, expandir ou mudar a história original. Todo tipo de obra é homenageada: livros, filmes, séries de TV, novelas, videogames, qualquer coisa que tenha uma história. Escolha um universo com o qual tenha intimidade. Os mais populares são as franquias “Guerra nas Estrelas”, “Harry Potter” e inúmeros animes.
·         Sua escolha fará a maior diferença na história e nos resultados dela. Alguns universos propiciam abordagens mais específicas, mas é importante lembrar que as opções são infinitas. Qualquer coisa pode ser feita a partir do material original, mesmo que isso signifique alterar absolutamente tudo.
Leia a respeito do ambiente da obra de ficção. A maioria das fanfics envolve ficção científica e fantasia, como “Percy Jackson” ou “Jornada nas Estrelas”. Essas são ótimas opções por se passarem em universos complexos, com muito potencial para extrapolar a história original. Entre na internet e leia tudo o que puder. Mesmo que a ideia de escrever uma fanfic seja fugir do original, é bom saber como ele funciona para alterá-lo apropriadamente.
Leia outras fanfics. Os melhores conceitos para sua história virão da obra original, mas saber como os outros fãs da série usam esse material é muito valioso. Entre em sites, leia as histórias que já existem sobre o tema e perceba como os escritores o utilizam.
·         Talvez você se depare com algumas fanfictions virtualmente impossíveis de ler por conta da baixa qualidade. Tente se lembrar de que as pessoas por trás das fanfics são fãs amadores aprendendo a desenvolver um enredo, e os níveis de habilidade variam muito. É necessário praticar para escrever bem e ter paciência para encontrar algo bom.
Parte2
Planejando a própria história
Decida seu objetivo. Como as fanfics são muito versáteis, determinar algumas regras para si mesmo antes de meter a mão na massa é importante. A história será longa ou curta? Algumas fanfics viram livros, mas a maioria é composta por contos curtos. Existe todo um debate no mundo dos fãs quanto à extensão ideal de uma fanfiction.[1] A duração da história depende do tema e geralmente é decidida no processo de criação. No entanto, é interessante ter um objetivo claro antes de começar o enredo.
·         As fanfics mais curtas são chamadas drabbles.[2] Elas devem ter entre 50 e 100 palavras, e a intenção é justamente o desafio de escrever uma história completa em um espaço tão pequeno. Você pode começar por aí para testar suas habilidades sem investir muito tempo.
·         Existem as fanfics chamadas fluffy, ou “fofinhas”, que costumam ser leves, românticas e engraçadinhas. Além disso, elas são curtas (menos de 1000 palavras) e abordam o personagem a partir de uma vida mundana, não fantástica.
·         Algumas das fanfics mais elaboradas têm milhares de palavras. Essas costumam ser as mais lidas — o leitor acredita que o final será ótimo, para justificar o tamanho.
·         Como o estilo da fanfic é essencialmente livre, não é necessário escrever em prosa narrativa. É possível escrever em poesia ou desenvolver uma ilustração do estado mental do personagem em uma determinada cena.
Imagine situações hipotéticas dentro da obra original. A maior parte das fanfics é baseada em especulação. Seja uma sequência do material ou uma história diferente, tudo começa com o bom e velho: “E se...?”. E se o personagem Fulano morresse (ou não morresse) no começo da trama? O que você acha que acontece depois que os créditos sobem? Esse é o tipo de coisa que você deveria se perguntar durante o planejamento.
·         Leia o material novamente, se não conseguir pensar em ideias. Se isso não ajudar, leia outras fanfics. Ver exemplos de outros fãs pode inspirar bastante.
·         Alguns autores se incluem como personagens no enredo, para interagir com os originais. O nome dado a esses personagens é avatar.[3]
Experimente escrever crossovers.[4]Crossover é o nome dado ao gênero de fanfiction que cruza personagens de universos diferentes na mesma história. Não existem limites para o que pode ser feito entre esses mundos. No entanto, muitos crossovers são ruins porque é necessário ter sensibilidade para misturar universos diferentes em um só. Ainda assim, esse é um estilo muito interessante para escritores criativos.[5]
·         Por exemplo, mesclar personagens de Percy Jackson e Harry Potter pode render uma boa história.
·         crossover é recomendado quando o escritor não consegue se decidir entre uma obra ou outra.
Pense no nível de fidelidade à história original. Pensar na posição que você assumirá dentro da história é uma ideia bacana. Alguns fãs fazem uma bagunça tão grande com o enredo que o resultado não tem nada em comum, a não ser o nome dos personagens (e olhe lá). Outros tentam ampliar o original mais fielmente. Em geral, não importa o que você decidir, tente se lembrar de que as melhores fanfics preservam ao menos o espírito da obra.[6]
·         Pense no conceito de verossimilhança. Verossimilhança é o que diz se algo é aceitável como real dentro daquele universo fictício. Descrever o Han Solo do Guerra nas Estrelas como um herói com capa e espada é verossímil, mas dizer que ele é fã de Chaves não é.
Escreva um esboço. Um bom rascunho pode fazer toda a diferença em uma fanfic. Embora isso pareça sério demais para um hobby tão divertido, saber onde a história pode chegar ajuda a reduzir o bloqueio criativo, tornando a produção mais fluida.[7] Muitas obras de ficção usam um arco dramático parecido. Elas podem ser divididas em:
·         Introdução: o começo deve ambientar o leitor razoavelmente bem e mostrar as motivações e ações dos personagens principais.
·         Complicação: algo acontece para estabelecer o protagonista como herói da trama. Em geral, é o antagonista que contribui para isso, mas nem sempre. O resto da história costuma ser o herói tentando estabelecer a ordem novamente.
·         Meio da trama: essa parte é onde o mundo fica mais evidente, os relacionamentos entre os personagens são intensificados e os riscos aumentam gradualmente.
·         Clímax: antes de chegar ao desfecho, há um momento em que o personagem enfrenta o conflito mais problemático, aparentemente indissolúvel. Provavelmente, você se lembra de uma porção de filmes em que isso acontece.
·         Desfecho: o momento em que o protagonista triunfa. Ele costuma acontecer logo depois do conflito decisivo e se mantém até o final. Pode ocorrer uma revelação da trama seguida da solução final do enredo.
Refine o enredo. Agora que o esboço existe, será mais fácil descobrir se a história funciona. Antes de começar, leia o que já escreveu e encontre pontos que possam ser excluídos ou explorados. A originalidade de uma obra costuma aflorar durante a edição, que é momento de rever as coisas que não estão de acordo com seu gosto. Lembre-se de que a trama é a parte mais importante da ficção casual. Mesmo que suas habilidades de escritor não sejam incríveis, é possível atrair a atenção de leitores se a história for intrigante.
Parte3
Escrevendo uma obra-prima
Apresente a ação logo de cara. Pode apostar que qualquer leitor da história tem tanta intimidade com o universo utilizado quanto você. Descrever detalhes da história original não prenderá a atenção de ninguém. Prefira começar com as ações que chamarão a atenção e farão com que as pessoas queiram engolir o próximo parágrafo.[8]
·         É claro que a descrição é importante para estabelecer a situação, mas a tendência é exagerar nessa etapa — resista à tentação![9] As descrições devem ser breves.
Faça referências à obra original. Quando você for acometido pelo bloqueio criativo ou se começar a travar na continuidade da saga, ler e curtir suas partes preferidas da obra original pode ajudar. Provavelmente, você já menciona partes do universo para obedecer à verossimilhança, mas visitá-lo esporadicamente também é útil para relembrar detalhes. As melhores fanfics são geradas pelo amor ao original e por uma criatividade inerente. Por isso, adquira o hábito saudável de voltar sempre às páginas da obra para curti-las novamente.
·         Você terá mais noção de como seu trabalho combina (ou destoa) do original em diferentes partes do processo de escrita, principalmente quando ler a obra principal novamente. Como você pensará bastante nela para escrever a fanfic, será cada vez mais fácil captar os detalhes.
Seja fiel aos personagens. Embora a ambientação e a história em si possam ser alteradas com liberdade, nem todos os leitores gostam de grandes mudanças em suas personagens favoritas. Elas são mais do que meras imagens! Mesmo que você deva obedecer a seus instintos criativos, já que decidiu mudar aspectos-chave da personalidade delas, mude logo os nomes também.[10] Tenha em mente que alterar a base do personagem é completamente diferente de evoluí-lo com a história.
·         Um exemplo de fanfic em que uma mudança radical do personagem funcione é o universo paralelo. Inspirado no episódio de "Jornada nas Estrelas" passado em um universo alternativo, você pode escrever uma história que aconteça em um universo espelhado, onde o personagens sejam versões bizarras dos originais. Adicionar uma barba ou um bigode para evidenciar a maldade deles pode ser divertido, mas não é necessário.
Escreva todos os dias. A criatividade começa a fluir quando se trabalha em um projeto diariamente. Escrever é um exemplo clássico disso, já que você pensará no que será escrito com regularidade. Escolha um horário para isso todos os dias e cumpra-o o máximo que puder. Pode ser na hora do almoço ou depois do expediente. Quando perceber, já terá páginas e páginas de um trabalho para chamar só de seu.
·         Muitos escritores gostam de escutar música quando escrevem, para se inspirarem na ambientação. Por exemplo, para uma fanfic baseada em Star Wars é uma ótima ideia escutar a trilha sonora do original, composta e orquestrada por John Williams. Isso ajudará a entrar no universo.[11]
·         A maioria das fanfics tem menos de 1000 palavras, mas é recomendável tentar algo mais longo. As histórias mais duradouras dão mais oportunidade de explorar os personagens, cenários e temas.
Edite o trabalho. Essa é uma parte fundamental de qualquer trabalho escrito. Se você quiser que a fanfic seja levada a sério, aceite esse fato. Leia novamente o que você escreveu e veja onde pode melhorar, retire partes desnecessárias para o enredo e adicione informações que possam ajudar o leitor a entender algo.
·         Mostrar o texto para um amigo também pode ser muito útil. Consiga uma resposta antes de investir tempo na edição. Talvez ele aponte o que precise de aperfeiçoamento, principalmente aquelas partes que só precisem de um floreado.
Escreva com consistência. Escrever fanfics é antes de tudo um aprendizado, e você provavelmente verá sua evolução à medida em que o trabalho avançar. No entanto, é importante que o leitor sinta linearidade e consistência, seja nos termos de narração ou na qualidade da escrita. Separar um tempo para editar o início e nivelar a história é uma ideia bacana, principalmente se achar que mudou demais a história ao longo da trama.
Parte4
Divulgando o trabalho
Publique a história em um site de fanfics. As fanfictions têm uma base de fãs muito ampla. Existem diversas comunidades onde você poderá publicar o que escreveu. A melhor delas é a Nyah Fanfiction. Lá, você encontra uma lista extensa com diferentes categorias, gêneros e crossovers. Faça uma conta e encontre a categoria onde a história original se enquadra.
·         Outra boa opção é o site Social Spirit, se quiser publicar em mais de um lugar.[12][13] A melhor ideia é colocar o trabalho no maior número de fóruns possível para aumentar a exposição.
·         Se quiser ler histórias sobre obras específicas, digite o nome da obra no Google com a palavra “fanfics” do lado. Por exemplo: “Harry Potter fanfics”.[14]
Envie o trabalho para editoras. Nenhuma fanfic é escrita para fins lucrativos, essa é uma regra de ouro da comunidade. Os direitos autorais protegem os autores da obra original de serem copiados ou plagiados, mas algumas editoras estão começando a gostar da ideia de publicar os trabalhos dos fãs.[15] Embora você precise escolher uma editora que detenha os direitos autorais do escritor, ter seu trabalho aceito por ela pode significar uma continuação da história, contanto que o princípio da verossimilhança seja respeitado.
·         Os escritores de fanfic que almejam sucesso comercial podem simplesmente mudar os nomes dos personagens e dos lugares. A trilogia “50 Tons de Cinza” era originalmente uma fanfic.
Conecte-se com outros escritores. Se você estiver começando a escrever com seriedade, o melhor a fazer é se relacionar com outros apaixonados por essa arte. Os sites mencionados neste artigo serão ótimos para isso. Você receberá dicas valiosas para melhorar suas habilidades e talvez consiga até ajuda na divulgação de seu trabalho — se os leitores gostarem o suficiente, é claro.[16] A regra é clara: se você dá retorno sobre o trabalho de alguém, conseguirá retorno sobre o seu também.
·         A melhor ajuda virá dos fãs da mesma série que você utilizou para basear a obra.
Dicas
·         Mesmo que você não se interesse por escrever fanfics, lê-las é bastante divertido.
·         As fanfictions não se limitam à prosa narrativa. Você pode escrever um poema supostamente escrito pelo protagonista, por exemplo.
·         Se você quiser escrever fanfics para si mesmo, sinta-se à vontade para não seguir nenhuma regra.
·         Caso se preocupe com direitos autorais, faça uma “Declaração de Direitos Autorais” no final do texto.[17]
·         Quando o arco dramático do herói for muito parecido com a maioria das histórias, comparar o que você escreveu com o original será muito útil. [18]
·         Muitas pessoas preferem escrever em estilo livre e sem planejamento, mas isso favorece o bloqueio criativo, e os leitores podem abandonar a leitura. O ideal é escrever com antecedência, com tempo para revisar e editar o documento, e só depois publicá-lo por partes. Pedaços pequenos e intrigantes são mais interessantes e cativam o leitor.
·         Avisos
·         As fanfics não são registradas, e escrevê-las não rende lucros materiais. Caso você esteja em busca de um universo mais comercial, sua melhor aposta será escrever conteúdo original.
·         O estilo fanfiction deve obedecer regras e critérios básicos de redação. Portanto, preocupe-se com a consistência de sua história e verifique duas vezes a gramática.
Fontes e Citações


quinta-feira, 3 de maio de 2018

Samurais, vamos "fanficar?"



Queridos samurais, vamos adentrar ao fantástico mundo da Fanfic onde seremos autores e leitores, seremos betas um do outro, viajaremos, nos uniremos pelo bem do mundo, Samurais!
O tempo é agora!
Prepare seu "Pen name", seu texto e "vamos ao infinito e além!"
Para saber um pouco mais, os hiperlinks visitados ou indicados estão aqui:

PARA TIRAR AS DÚVIDAS:
O que é fanfic?

PARA ESTUDARMOS OS FORMATOS
Como fazer fanfic?

UM POUCO DE GRAMÁTICA (PORQUE É NECESSÁRIO)
Aulas de português para melhorar a escrita

OS LINKS ABAIXO SÃO DE SITES EXCLUSIVAMENTE DE FANFICS:

Investiguem, campeões!

https://www.spiritfanfiction.com/?locale=p

 thttp://fanficobsession.com.br/

O multiiverso não tem limites para quem está no  Trono de Ferro!


sábado, 27 de janeiro de 2018

Série Vikings e Crônicas saxônicas de Bernard Cornwell



Há muito tempo ouço  falar desta série e nunca lhe dei a devida importância até que resolvi assistir o primeiro episódio e percebi que sabia muito pouco sobre os anglos-saxões, os vikings e sobre a história daquela área da Europa Setentrional (DinamarcaFinlândiaIslândiaNoruega, Suécia e adjacências) e, então mergulhei em um mundo fantástico de batalhas, honras, promessas, invasões,  piratarias, choques culturais e religiosos.

Ragnar e seus guerreiros me conquistaram, todos os personagens conseguem serem amados e odiados durante o desenrolar da trama e meu personagem preferido é Lagherta, a mulher empoderada, guerreira, mãe e esposa, absoluta e poderosa. A mulher era livre para casar ou não, se divorciar, trabalhar, guerrear, enfim, fazer o que quisesse dentro de seus princípios morais. elas podiam assumir bens deixados por pais, irmãos ou maridos, eram respeitadas com igualdade em uma sociedade em que, ao se aproximar da sociedade cristã, foi perdendo essa característica.

Foi algo que me impressionou muito na cultura deles é o fato da mulher não ser submissa como a igreja cristã pregava naquela época, como é citado na série em que o marido era dono da mulher e faria dela o que quisesse e isso é diferente na cultura nórdica como fica bem representado na série.


Em busca de mais elementos que enriquecessem a série fui atrás de outras informações e, tendo as Crônicas saxônicas, de Bernard Cornwell,  que é uma obra de profunda pesquisa histórica, comecei a ler simultaneamente à série.e tendo uma visão mais ampla e melhor de uma época gloriosa da história da humanidade. É óbvio que eram invasores, saqueadores e não entendiam a religião cristã assim como os ingleses e franceses não entendiam seus deuses e, para mim, este é o aspecto mais curioso.
Os seguintes romances foram publicados, com as datas de publicação no Reino Unido listadas:
LivroReino UnidoBrasil
O Último Reino20042006
O Cavaleiro da Morte20052007
Os Senhores do Norte20062007
A Canção da Espada20072008
Terra em Chamas20092010
Morte dos Reis20112012
O Guerreiro Pagão20132014
O trono vazio20142015
Guerreiros da tempestade20152016
O Portador do Fogo2016NOVEMBRO 2017



A engenhosidade de navegação de seus navios é impressionante, além de serem pequenos, eles atravessavam o mar e eram rápidos em seus ataques e ofensivas chegando e se retirando de forma inesperada, suas vítimas se aterrorizavam ao ver, ao longe, seus navios se aproximando e tendo em suas proas monstros esculpidos que tinham a finalidade de aterrorizar mesmo seus inimigos.



Outro personagem do qual eu gosto muito é o Athestan, o cristão raptado em uma incursão à Inglaterra e que observa e aprende a ser e agir como um viking, compreendendo que há muito o que se conhecer e entender além do que pensava conhecer.

A série tem quatro temporadas disponíveis na Netflix, a primeira com nove episódios, a segunda e a terceira com dez e a quarta com vinte episódios e  a quinta em andamento na Fox Premium.
Vale a pena, vale a reflexão e a beleza, além de se conhecer mais sobre outra cultura e sua história onde se aprende muito, pena que só fui conhecer esta série agora!

Thirteen reasons why sem Spoiler