terça-feira, 26 de abril de 2011

domingo, 10 de abril de 2011

Queridos professores

Querido Mestre,
Trago-te um recado de muita gente.
Houve gente que praticou uma boa ação,
Manda dizer-te que foi porque
Teu exemplo convenceu.
Houve alguém que venceu na vida,
E manda dizer-te que foi porque
Tuas lições permaneceram
E houve mais alguém que superou a dor,
E manda dizer-te que foi a lembrança
De tua coragem que ajudou.
Por isso que és importante...
O teu trabalho é o mais nobre,
De ti nasce a razão e o progresso.
A união e a harmonia de um povo!
E agora... Sorria!!
Esqueça o cansaço e a preocupação,
Porque há muita gente pedindo a Deus
Para que você seja muito Feliz!!!

(Autor desconhecido)

Olhos adultos...

recados orkut<

“Lá vão pelo caminho a mãe e a criança, que vai sendo arrastada pelo braço – segurar pelo braço é mais eficiente que segurar pela mão. Vão os dois pelo mesmo caminho, mas não vão pelo mesmo caminho. Bleke dizia que a árvore que o tolo vê não é a mesma árvore que o sábio vê. Pois eu digo que o caminho porque anda a mãe não é o mesmo caminho porque anda a criança.
Os olhos da criança vão como borboletas, pulando de coisa em coisa, para cima, para baixo, para os lados, é uma casca de cigarra num tronco de árvore, quer parar para pegar, a mãe lhe dá um puxão, a criança continua, logo adiante vê o curiosíssimo espetáculo de dois cachorros num estranho brinquedo, um cavalgando o outro, quer que a mãe também veja, com certeza ela vai achar divertido, mas ela, ao invés de rir, fica brava e dá um puxão mais forte, aí a criança vê uma mosca azul flutuando inexplicavelmente pelo ar, que coisa mais estranha, que cor mais bonita, tenta pegar a mosca, mas ela foge, seu olhos batem então numa amêndoa no chão e a criança vira jogador de futebol, vai chutando a amêndoa, depois é uma vagem seca de flamboyant pedindo para ser chacoalhada, assim vai a criança, à procura dos que moram em todos os caminhos, que divertido é andar, pena que a mãe não saiba andar por não ter os olhos que saibam brincar, ela tem muita pressa, é preciso chegar, há coisas urgentes a fazer, seu pensamento está nas obrigações de dona de casa, por isso vai dando safanões nervosos na criança, se ele conseguisse ver e brincar com os brinquedos que moram no caminho, ela não precisaria fazer análise …
A mãe caminha com passos resolutos, adultos, de quem sabe o que quer, olhando para a frente e para o chão. Olhando para o chão ela procura as pedras no meio do caminho, não por amor ao Drummond, mas para não dar topadas, e procura também as poças d’agua, não porque tenha se comovido com o lindo desenho do Escher de nome Poça d´água, uma poça de água suja na qual se refletem o céu azul e os ramos verdes dos pinheiros, ela procura as poças para não sujar o sapato. A pedra do Drummond e a poça de água suja do Escher os adultos não vêem, só as crianças e os artistas …
A mãe não nasceu assim. Pequenina, seus olhos eram iguais aos do filho que ela arrasta agora. Eram olhos vagabundos, brincalhões, que olhavam as coisas para brincar com elas. As coisas vistas são gostosas, para ser brincadas. E é por isso que os nenezinhos têm esse estranho costume de botar na boca tudo o que vêem, dizendo que tudo é gostoso, tudo é para ser comido, tudo é para ser colocado dentro do corpo. O que os olhos desejam, realmente, é comer o que vêem. Assim dizia Neruda, que confessava ser capaz de comer as montanhas e beber os mares. Os olhos nascem brincalhões e vagabundos – vêem pelo puro prazer de ver, coisas que, vez por outra, aparece ainda nos adultos no prazer de ver figuras. Mas aí a mãe foi sendo educada, numa caminhada igual a essa, sua mãe também a arrastava pelo braço, e quando ela tropeçava numa pedra ou pisava numa poça de água, porque seus olhos estavam vagabundeando por moscas azuis e cachorros sem-vergonha, sua mãe lhe dava um safanão e dizia: “Olha pra frente menina!”.
“Olha pra frente!” Assim são os olhos adultos.
Coitados dos adultos! Arrancaram os olhos vagabundos e brincalhões de crianças e os substituíram por olhos ferramentas de trabalho. Os olhos tornam-se escravos do dever. Os olhos solicitam: “ Brinquem comigo! É tão divertido! Se vocês brincarem comigo, eu ficarei feliz, e vocês ficarão felizes …”.
Rubem Alves

sábado, 9 de abril de 2011

Escola e sociedade

Tornou-se primordial descobrir onde está errado a nossa educação, não só de escola, mas de sociedade.
Por que esta violência desmesurada? É difícil compreender o nosso papel socialmente falando e até onde influenciamos o comportamento de quem nos observa, ou melhor, como detectar um comportamento estranho e de que nos adiantará isso? Como prejulgar as ações de alguém?
Busco respostas que todos buscam, tenho pressa, tenho filha, tenho alunos que são como filhos. Como melhorar o mundo para eles?
Chega de roubos, mentiras e hipocrisias, invista-se no professor! Esta tragédia no Realengo mostrou a invisibilidade do professor.
Que falou deles? Quem lembrou deles?
 E eles estavam lá, fazem parte da escola e farão também tratamento para amenizar o trauma de um fato tão triste e tão macabro em nosso país e mesmo assim, iremos para a escola todos os dias cumprir nosso papel sentindo medo, autoestima baixa pela desvalorização que sofremos e pelo cotidiano que não é fácil.
Alguém me ajude a encontrar um caminho que resgate nossa humanidade, nosso convívio, nossa alegria de viver.

A tragédia da escola de Realengo


A TRAGÉDIA DA ESCOLA DE REALENGO

Comecei a escrever este artigo no próprio dia da tragédia; terminei-o hoje (o dia seguinte) de manhã. Talvez seja cedo demais para conseguir escrever alguma coisa que faça sentido e que respeite o sentimento dos parentes das crianças mortas e feridas no Rio de Janeiro ontem cedo – e o sentimento das crianças feridas que sobreviveram. Afinal de contas, até mesmo os detalhes do fato custam a aparecer: o que de fato aconteceu, que culminou na morte de inicialmente onze (agora já doze) crianças e do próprio atirador?
Mas é difícil ficar calado. Nem mesmo comentaristas de esporte e economia no rádio conseguiram, num primeiro momento, ater-se às suas pautas: sentiram-se obrigados a falar no assunto.
Isto por que todo mundo está chocado. Mais do que chocado: sacudido, chacoalhado. Até a Presidente da República, durona, ex-guerrilheira, chorou.
Por que tamanha comoção neste caso?
Lamentavelmente, o Rio de Janeiro e muitas outras grandes cidades brasileiras já aprenderam a conviver com tiroteios e mortes nas ruas e nas casas – as pessoas estão relativamente dessensibilizadas em relação à violência e à morte.
Mas desta vez foi numa escola e foram crianças as principais vítimas: onze delas morreram na hora, uma depois, dez meninas (que geralmente se sentam na frente na sala de aula) e dois meninos. E não foram crianças que dormiam na rua, como na chacina da Candelária: foram crianças que estavam na escola, fazendo exatamente o que se esperava delas.
Lamentavelmente, o mundo já aprendeu a conviver com tragédias desse tipo em escolas dos Estados Unidos e de outros países desenvolvidos.
Mas desta vez foi aqui, no Brasil, local que acreditávamos imune a esse tipo de absurdo. Não foi um aluno atual da escola que cometeu o crime, como em geral acontece nos Estados Unidos, mas foi um ex-aluno. No fundo, é a mesma coisa. (Alguns já se perguntam se finalmente chegamos lá, ao primeiro time dos países desenvolvidos, agora que coisas assim acontecem também em nossas escolas.)
Os caçadores de explicações já trabalham a toda. A mãe biológica do rapaz aparentemente era isso; a família que o adotou aparentemente era aquilo; o rapaz, sentencia o governador do Rio, era um animal, um psicopata. Repórteres descobrem, com base em testemunhos de sobreviventes, relatados por parentes, que o assassino aparentemente poupou alguns meninos, preferindo matar meninas, e que, em muitos casos, as defigurou atirando-lhes no rosto. Tudo isso parece requerer explicações. Buscam-se psicólogos, psiquiatras, psicanalistas…
A maioria de nós fica tentado a buscar e aceitar explicações que enquadrem o acontecido na categoria das excepcionalidades, das anormalidades, das psicopatias mesmo (como já o decretou o Governador) – algo que não aconteceria numa escola particular, como a frequentada por nossos filhos ou netos…
Mas não nos esqueçamos de que, há algum tempo, segundo tudo indica, numa família de classe rica, em São Paulo, uma menina jovem e linda mancumunou-se com o namorado para assassinar os pais… Foram só os dois que morreram, não doze, e eram adultos – mas quem planejou o assassinato, segundo consta, era jovem e era filha deles. Isso parece até pior – se é que dá para comparar essas coisas…
Também há algum tempo, e também aqui em São Paulo, um senhor de meia idade, bem de vida e respeitável, jornalista admirado pelos colegas, matou, segundo tudo indica, a mulher com quem vivia e a quem professava amar.
E o adolescente que saiu atirando a esmo no cinema do Shopping Morumbi? E o jovem que acabou com a vida do outro com um taco de beisebol em uma livraria do Conjunto Nacional?
E há o pai que joga a filha pela janela… (Até hoje tenho dificuldade de acreditar que foi ele!)
E tantos outros crimes de gente de bem, gente bonita, gente culta, gente rica, gente jovem, gente certinha…
O que esses fatos todos parecem sugerir é que, independentemente de idade, sexo, classe social, riqueza, fama, nível cultural, nossa estabilidade e nosso equilíbrio são precários. Parecemos normais hoje, amanhã perdemos o eixo e cometemos crimes que só podem ser descritos como odientos e insanos.
Até aqui, falamos em crimes contra a vida.
Mas há também os crimes contra o patrimônio… Quando a pessoa é pobre, está com fome, e rouba comida, vá lá… Mas e a história da linda e admirada atriz de cinema que, de vez em quando, parece surtar e rouba das lojas bobagens de que ela não precisa e que certamente, se realmente as desejasse, não precisaria roubar? Ou o problema das gravatas do respeitado rabino? Ou a Promotora de Justiça brasileira que, segundo os jornais de anteontem, alega, para si mesma, através de seu bastante procurador, insanidade mental?
O que acontece em todos esses casos? Talvez não haja uma só explicação que se ajuste a todos eles. Talvez nunca venhamos a saber com certeza, em cada caso, o que realmente se passa.
Mas uma coisa é certa… Todos esses atos, quando aconteceram ou foram descobertos, surpreenderam quem conhecia as pessoas acusadas de perpetrá-los. Ninguém esperava que elas viessem a estar envolvidas nesse tipo de coisa…
E há as coisas que não chegam a ser crime. Pessoas que pareciam ser paradigmas de estabilidade emocional e que se desestruturam e desmoronam quando o/a namorado/a resolve terminar o namoro ou quando o cônjuge decide deixá-las… Em casos extremos, essas coisas podem virar suicídios ou assassinatos.
Ou, mais trivial ainda, o que dizer das brigas por acidente de trânsito, ou simplesmente porque alguém fechou alguém no trânsito? Isso também tem produzido assassinatos.
E o que dizer dos crimes de ódio, em que alguém, geralmente de boa família, ataca um pobre  que dorme na rua e lhe ateia fogo, ou agride um homossexual que passa, ou uma prostituta que está quieta na calçada, ou um estrangeiro que fala uma língua desconhecida?
Tudo isso mostra quão instável é nossa estabilidade, quão precário nosso equilíbrio…
Dificilmente será um fato só a explicar o que aconteceu em Realengo: a mãe natural doente do rapaz, ou as características da família que o adotou, ou as experiências que ele anteriormente teve na escola, ou o fato de que não tinha amigos ou namoradas e era ensimesmado… Tudo isso provavelmente é parte da história de vida do rapaz, como muitas coisas diferentes fizeram parte da história de vida de tantas outras pessoas, até ali de bem, que, de repente, surtaram e cometeram atos que ninguém esperava e que os que as conheciam bem não imaginavam que pudessem cometer.
John Bradford, reformador inglês do século XVI, ao contemplar um bêbado, ou uma prostituta, ou um criminoso, teria dito: “There, but for the grace of God, goes John Bradford” – “Ali, não fosse a graça de Deus, estaria eu”. Não é preciso acreditar em Deus para apreender a verdade contida na famosa frase de John Bradford. A maioria de nós já viveu momentos em que sentiu que, por pouco, não fez uma besteira enorme e não virou foco de atenção, como o que ora é dirigido para o assassino das doze crianças e suicida de Realengo.
O filme MatchPoint, de Woody Allen, começa com uma cena instigante. Um jogo de tênis, em que a bola vai de um lado para outro da quadra e volta, várias vezes, até que bate na parte de cima da redinha e sobe – e a cena é congelada com a bolinha no alto. Uma voz, em off, diz:
“O homem que disse ‘Prefiro ter sorte a ser bom’ tinha uma visão profunda da vida. As pessoas têm medo de enfrentar o fato de que uma parte grande de nossa vida depende da sorte. É assustador imaginar que tanto, em nossa vida, escapa, ou pode escapar, do nosso controle. Há momentos numa partida de tênis em que a bola bate no topo da rede, e, por uma fração de segundo, pode ir para frente ou cair para trás. Com um pouco de sorte, ela vai para frente, e você ganha o jogo. Mas nem sempre isso acontece. Há vezes em que ela cai para trás, e você perde.”
“There, but for the grace of God, go I” — “Ali, não fosse a graça de Deus, vou eu”. Ou, então, se você é como Woody Allen, “There, but for sheer good luck, go I” — “Ali, não fosse o bafejo da sorte, vou eu”.
Vamos nos lembrar disso quando a gente presenciar essas coisas horríveis que a gente não consegue entender.
Mas, olhando para frente, agora, há duas tarefas sócio-psico-pedagógicas hercúleas desafiando nós todos.
Primeiro, a tarefa mais próxima e mais urgente. Como lidar com as crianças que ficaram? Não só com as que foram feridas, mas com as que presenciaram o assassinato a queima-roupa de seus colegas, quem sabe de seu/sua BFF: best friend forever (forever pode ser muito pouco tempo, em alguns casos). Muitas delas provavelmente estão traumatizadas, não vão querer voltar à escola (não àquela escola, pelo menos), nunca esquecerão o acontecido, talvez até tenham dificuldade para falar sobre o que se passou. Para os mais fortes, que voltarem à escola, será que os professores conseguirão ajudá-los? Os próprios mestres estão traumatizados e, provavelmente, precisando de ajuda… Como a comunidade daquela escola reagirá quando alguém soltar uma bombinha durante as festas de Junho, ou algum barulho diferente acontecer no corredor?
Alguém sabe como lidar com isso? Eu me confesso totalmente incompetente nessa área.
O segundo problema é: existe algo que possamos fazer, na educação familiar, na escola, na sociedade em geral, para que coisas como essa de ontem não aconteçam mais – ou, no mínimo, não passem a acontecer com certa frequência como acontece nos paises desenvolvidos?
Alguém sabe como responder a isso? Eu, mais uma vez, me declaro incompetente.
Mas espero que alguém possa nos ajudar a descobrir como enfrentar problemas como a tragédia de ontem, lidando com o rescaldo e, mais importante, previnindo-as.
Quem sabe este blog pode servir de forum para a discussão dessa questão?

O que você faria com o livro didático, se os alunos descobrissem todas as respostas?

O que você faria com o livro didático, se os alunos descobrissem todas as respostas?

Aqui encontras exercícios sobre Língua Portuguesa

Aqui encontras exercícios sobre Língua Portuguesa

Boa semana!!!

recados orkut

Flores para os amores e para as vidas dos meus amores, minha família, meus alunos e meus amigos!!!

Nas letras da música

Nas letras das músicas *º ano A e B 2017 de Rosângela Ferreira Luz