sábado, 19 de junho de 2010

Motivação para o processo ensino-aprendizagem

Este artigo abaixo, de Cássia Ravena, traz ótimas sugestões que devem tornar-se rotina na prática docente para que não aconteça situações corriqueiras de fingir que ensinamos e as crianças fingirem que aprendem. Vamos fazer da Educação um instrumento de verdade e libertação.

Motivação na Aprendizagem

Autora: Cássia Ravena Mulin de Assis Medel[1]

Um bom didata, tem no seu ânimo, fonte de motivação para todos...
Os professores estão sempre se perguntando sobre o que devem fazer para que os alunos realmente aprendam.
Segundo o dicionário Silveira Bueno, motivação quer dizer exposição de motivos ou causas; animação; entusiasmo. Através dessas definições, pode-se constatar que estar motivado é estar animado, entusiasmado. Para isso, é necessário ter motivos para se chegar a esse estado.
Qualquer coisa que se faça na vida, é necessário primeiro a vontade de realizá-la, senão nada acontece. Isso também ocorre na educação. Educação requer Ação e como resultado dessa ação, há o APRENDIZADO. Mas para que se realize a ação e esta resulte no aprendizado é necessário, inicialmente, que haja a VONTADE, nesse caso, a vontade de aprender. O professor deve descobrir estratégias, recursos para fazer com que o aluno queira aprender, em outras palavras, deve fornecer estímulos para que o aluno se sinta motivado a aprender. Como por exemplo:
Dar tratamento igual a todos os alunos;

Aproveitar as vivências que o aluno já tem e traz para a escola no momento de montar o currículo, incluir temas que tenham relação, isto é, estejam ligados à realidade do aluno, a sua história de vida, respeitando a sua vida social, familiar;

Mostrar-se disponível para o aluno, ou seja, mostrar que ele pode contar sempre com o professor;

Ser paciente e compreensivo com o aluno;

Procurar elevar a auto-estima do aluno, respeitando-o e valorizando-o;

Utilizar métodos e estratégias variadas e propostas de atividades desafiadoras;

Mostrar-se aberto e afetivo para e com o aluno;

"Acolher" realmente o aluno;

Dar carinho e limites na medida certa e no momento adequado;

Manter sempre um bom relacionamento com o aluno, e consequentemente, um clima de harmonia;

Fazer de cada aula um momento de real reflexão;

Ter expectativas positivas acerca do aluno;

Saber ouvir o aluno;

Não ridicularizá-lo jamais;

Amar muito o que faz, a sua profissão de professor;

Mostrar para o aluno que ele pode fazer a DIFERENÇA, isto é, que ele tem o seu lugar e o seu valor no mundo;

Perceber que ele, o professor, pode fazer a DIFERENÇA, para o aluno;

O professor deve ensinar o aluno a ser ético e crítico, mostrando a ele que a crítica é boa , desde que feita de maneira adequada e que a ética é fundamental em qualquer relacionamento humano, em qualquer ambiente: Familiar, Social, Escolar, entre outros.

Nas letras da música

Nas letras das músicas *º ano A e B 2017 de Rosângela Ferreira Luz